Contador de visitas

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

ONG Clube da Semente

O Clube da Semente é uma associação civil (ONG), que tem como objetivo básico desenvolver um trabalho de conscientização ambiental capaz de promover a conciliação da preservação de espécies (arbóreas) da flora brasileira com a elevação da qualidade de vida humana, a partir do uso socialmente justo e ecologicamente sustentável da diversidade biológica.
Suas atividades são mantidas principalmente através de campanhas de distribuição gratuitas de sementes em escolas (na forma de folhetos educativos) e pela venda de sementes e mudas ao público em geral, financiadas por empresas privadas, públicas e por seus inúmeros colaboradores espalhados pelo Brasil e exterior.
Nosso trabalho tem, além do objetivo fundamental ligado à preservação, a preocupação com o processo educativo de cada indivíduo. Contamos também com você, uma semente importantíssima na execução deste projeto. Participe!

Para conhecer melhor o trabalho da ONG, visite o site: http://www.clubedasemente.org.br/, lá você encontrará não apenas os projetos como também como fazer parte dessa iniciativa tão importante a Educação Ambiental.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Consciência Ecológica

A atual sociedade de consumo vem alterando de forma cada vez mais perigosa a biosfera. No capitalismo a função da natureza é exclusivamente de promover recursos, mas em contrapartida as conseqüências são extremamente negativas.
Do ponto de vista ambiental o mundo passa por uma série de modificações, devido a esse processo percebemos o fim do petróleo, escassez de água e aquecimento global, tudo isso fruto da sociedade industrial consumista.
O homem esquece que quando promove a destruição da natureza ele está se autodestruindo pois esse é parte integrante da natureza, esquece também que os elementos da natureza (hidrosfera, atmosfera, litosfera, animais, plantas entre outros) possui uma relação de interdependência.

A Hipótese Gaia, do grego “mãe Terra”, divindade que também recebia o nome de Gea, é uma nova visão de mundo, diz que a natureza poderá impor limitações à existência da vida humana no planeta. Algumas das limitações podem ser percebidas, como o aquecimento global, ou efeito estufa, fenômeno que se caracteriza pelo aumento da temperatura média do planeta, provocando aumento dos níveis das águas oceânicas, além de mudanças climáticas com efeitos imprevisíveis.


Com base nestes problemas alguns grupos começaram a se preocupar, dando início a vários movimentos ambientalistas e o despertar da consciência ecológica, é lógico que isso não ocorre de forma homogênea nos governos das maiores potências, pois vários acordos são gerados, muitos não são cumpridos para não comprometer a prosperidade econômica.


Hoje existem muitos movimentos ambientalistas, em sua grande maioria se tratam de ONG´s (Organizações não Governamentais), que lutam para preservar a natureza, dentre muitas podemos citar o Greenpeace, grupo de defesa ecológica, SOS MATA ATLÂNTICA e o Fundo Mundial para a Natureza, os movimentos em defesa surgiram principalmente a partir da década de 1960 e 1970.




Qual caminho seguir na preservação ambiental num mundo moderno em que não há maneiras de retroceder em condição de vida?
Primeiro é preciso um despertar da sociedade, que é o agente das questões ambientais, tanto positivas quanto negativas.
Atualmente existem várias correntes de pensamentos de preservação, o conservacionismo (consiste no pensamento de que a prioridade é a natureza com uma preocupação de conservação para as demais gerações), desenvolvimentismo ecológico (consiste no pensamento de que o mundo pode continuar crescendo economicamente de forma sustentável) e ecocapitalismo (corresponde ao pensamento capitalista de obter vantagens com as questões ambientais).

Em busca de soluções para os problemas ambientais são realizados, ocasionalmente, conferências, congressos, acordos para discutir as possíveis maneiras de solucionar ou pelo menos amenizar, alguns dos principais eventos mundiais estão o Rio 92, Protocolo de Quioto, Rio +10 e outras, além de outras discussões no campo acadêmico.

Em suma todos os questionamentos acerca dos problemas ambientais devem ser encarados de forma coletiva, pois não é só o poder governamental que deve ter compromisso, mas sim todos os cidadãos podem participar cada um fazendo sua parte.


Fonte:
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/consciencia-ecologica.htm

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Lixo é dinheiro que as pessoas insistem em jogar fora

Mãe junta 300 kg de latinhas e realiza sonho de filho estudar na Europa


Isabel reuniu mais de 300 kg de latas para ajudar manutenção do filho na Europa (Foto: Isabel Cristina/Acervo Pessoal)
“Meus filhos vão realizar tudo que eu não pude realizar”, confessou a paraibana Isabel Cristina Fernandes, de 51 anos, que lutou contra a própria realidade para que o filho Pedro, de 18 anos, realizasse o sonho de estudar em um intercâmbio na Finlândia. Natural da cidade de Picuí e trabalhando há 24 anos na sede recreativa da Associação dos Magistrados da Paraíba, em Cabedelo, junto com o marido Milton Viana, Isabel conseguiu arrecadar mais de R$ 1,2 mil coletando material reciclável.Latinhas, alumínio e plástico ajudaram o filho a se manter no país onde começou a estudar idiomas. Hoje, além de trabalhar com o marido na Associação dos Magistrados, onde também mora há 24 anos, Isabel faz cocadas, trufas, cupcakes e outros doces para ajudar no custeio. O que iria para o lixo no trabalho, Isabel transformava em dinheiro. No caminho para a igreja, também apanhava o que conseguia.Uma arrecadação dos magistrados da Paraíba, do Rio Grande do Norte, de São Paulo e de Pernambuco, ajudou Isabel a completar R$ 30 mil para realizar o sonho do filho. "Eu ainda vou para longe, ainda vou voar, morar em outro país", foi com esse desejo de Pedro que tudo começou, conforme conta Isabel.Pedro está na Finlândia desde agosto de 2016 e hoje ele já fala inglês, sueco e está aprendendo francês. Foi aprovado no curso de Relações Internacionais, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), e deve começar o curso quando voltar ao Brasil, provavelmente no final do mês de julho deste ano.
Casados há 24 anos e com dois filhos, Isabel e Milton fazem pela família o que não puderam fazer por si mesmos. Além de Pedro, o filho mais velho do casal tem 22 anos e se chama Severino, estudante de Farmácia, pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). “Eu quero que eles sejam vitoriosos por tudo isso. Cada luta que eles viram que a gente passou, que eles reconheçam. Isso é tudo maravilhoso”, declarou.

Sonho realizado

Para ela, a única solução era o filho estudar. Ele queria fazer algum curso de idiomas, mas se a mãe utilizasse o dinheiro para isso, a família não teria o que comer. Então Pedro começou a estudar por conta própria, no computador. “Assistia seriado sozinho e sempre cantava em inglês, para aprender”, contou Isabel. Quando uma mulher de Taiwan se hospedou no clube da associação, todos ficaram surpresos com a desenvoltura de Pedro para conversar em inglês.
Isabel fez a inscrição de Pedro na associação Rotary para tentar o intercâmbio e, após a realização da prova, ele foi classificado em oitavo lugar. Na preparação da papelada necessária, mais um desafio. “Quando eu vi o que eu tinha que pagar eu pensei que ele não ia mais”, refletiu a mãe.
A campanha atingiu amigos de Isabel e do magistrado Manoel Abrantes, que ajudou junto a outros a reunir o dinheiro necessário. No início, eles precisavam de mais de R$ 5,2 mil para dar início à viagem. Em menos de três dias, a conta bancária de Isabel já somava R$ 6 mil.
Com a partida de Pedro, o coração de Isabel ficou pequeno. A porta do desembarque era minúscula para um futuro tão grande que estava por vir.  “É uma dor quando a gente vê nossos filhos saindo daquela portinha do aeroporto”, disse Isabel.
Agora Isabel vende uma rifa. Recebeu uma doação de uma suqueira como prêmio e só vai parar com as vendas quando o objetivo for alcançado: pagar o passeio da escola do filho para conhecer outros países da Europa.
“Eu me sinto muito feliz, que às vezes é até inexplicável de falar, é incrível quando você sonha a vida toda de ir para o exterior e de repente seu sonho se realiza”, disse Pedro. “Isso mostrou que eu sou capaz e que tudo é questão de querer. E hoje eu posso ver que todo o esforço que a minha mãe fez está valendo a pena", completou.
24 anos de dedicação e amor
Nascida no município de Picuí, Isabel viveu por uma escolha da mãe. O pai não assumiu a paternidade e queria que a gravidez fosse abortada. Ela resistiu e colocou Isabel no mundo. Os sonhos de Isabel têm a mesma marca de luta e de lição de vida. “Eu vou lá ver meu filho na Finlândia. Eu sempre sonhei em ir longe, conhecer o mundo. Meu filho puxou a mim”, disse.

Fonte: http://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2017/02/mae-junta-300-kg-de-latinhas-e-realiza-sonho-de-filho-estudar-na-europa.html

Coleta Seletiva: Separe o lixo doméstico de uma forma simples e rápida

Aprenda como separar os resíduos da sua casa de um jeito mais prático e saiba os locais corretos para descartar determinados materiais


Para contribuir com a coleta seletiva é preciso tomar alguns cuidados na hora de separar o lixo para não causar grandes danos ambientais ou inviabilizar o aproveitamento dos resíduos. Uma empresa de logística ambiental conseguiu gerenciar o lixo de uma maneira mais simples, separando os resíduos em apenas duas categorias: resíduos secos, como latas, papel, plástico e vidro; e úmidos ou orgânicos, como restos de comida.
“A maioria das pessoas entende a importância da reciclagem em um mundo de recursos naturais cada vez mais escassos e quer colaborar com a coleta seletiva. Mas precisamos mostrar o jeito certo de fazer”, afirma Edson Stek, diretor de operações da Loga – Logística Ambiental São Paulo.
Divididos nestas duas categorias (secos e úmidos), você não precisa se preocupar em organizar o lixo por tipo de material, chegando a separar em mais de quatro tipos de lixeiras diferentes.
O lixo seco representa os resíduos recicláveis, já o lixo úmido corresponde aos não recicláveis. A técnica que pode ser feita em casa facilita o trabalho das empresas de logística de resíduos e ainda simplifica a gestão no lar. No caso dos restos de alimento que causam mau cheiro, como o cigarro e madeira, eles precisam ser depositados no lixo comum, pois atraem insetos e criam bactérias que podem causar doenças.


Resíduo reciclável e não reciclável

Além da separação do lixo em seco e úmido, existem alguns materiais da categoria de resíduos secos que também não podem ser reciclados. Confira no infográfico abaixo o que você pode separar para a coleta seletiva e o que deve ser enviado para aterros sanitários legais:

Onde depositar o que não é reciclável?

Embalagens de salgadinho, frascos de esmalte, frascos de tintura de cabelo, potes de margarina não devem ir para a coleta seletiva, mas também não precisam acabar no aterro. Existem algumas empresas que já recebem esses tipos de material, que exigem cuidados ou processos especiais para o reaproveitamento.
O Terra Cycle, por exemplo, é um sistema de coleta de resíduos que estimula a formação de “brigadas de coleta”, ou seja, recolhem o lixo difícil de reciclar. A partir destes materiais a empresa os transforma em bolsas, guarda-chuvas, jogos americanos, porta-lápis, etc. O envio a partir de determinada quantidade pode até ser feito pelos Correios. Pesquise também na internet mais locais de coleta seletiva na sua cidade.

Lixo de construção

Depois de realizar uma reforma em casa é hora de dar o fim nos entulhos e restos de madeira, cimento e móveis antigos, os quais não são levados pelos serviços de coleta seletiva. Os Ecopontos da cidade de São Paulo recebem voluntariamente o descarte de entulho (até 1m3) como móveis, pedaços de tijolo, material de construção e podas de árvores. O descarte é feito de graça em caçambas distintas para cada material. Confira o endereço dos Ecopontos para saber qual o local mais próximo da sua casa.

Fonte: http://www.pensamentoverde.com.br/dicas/coleta-seletiva-separe-o-lixo-domestico-de-uma-forma-simples-e-rapida/

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017


Como forma de trabalhar a questão da produção e descarte do lixo escolar  segue abaixo modelo de projeto de coleta seletiva do lixo escolar. A melhor forma de se trabalhar questões que envolvem cidadania é envolvendo a comunidade escolar, através da execução de projetos.
INTRODUÇÃO

 Uma das metas das Unidades Escolares do Município de Anápolis GO, na formação do aluno, é trabalhar com situações que possibilitem aos alunos pensar em propostas de intervenção na realidade que os cercam.
Um dos grandes problemas enfrentados pela humanidade é a melhoria das condições de vida no mundo, o fator sócio ambiental, que afeta a todos, porém com consequências desiguais para os diferentes grupos ou classes sociais.
O que fazer e como fazer para que os alunos adquiram uma consciência global relativas ao meio, para que possam assumir posições afinadas com os valores referentes à proteção do meio ambiente e consequentemente a preservação da vida humana, que atualmente está tão banalizada.

Segundo os PCNs, os alunos podem tirar nota 10 nas provas, mas ainda sim, jogar lixo no chão,pescar na piracema,. atear fogo no mato, degradar nascentes e poluir rios, não justifica a nota, pois qual tipo de cidadão estamos formando? E como a Escola está vendo o Meio Ambiente? Será que estamos interdisciplinando os temas abrangentes a Educação Ambiental dentro de uma visão holística?
Dentro desse contexto cade aos educadores se questionarem, como nas condições concretas de aprendizagem, pode-se contribuir para que os alunos percebam e entendam as consequências sócio ambientais de suas ações nos locais onde estudam e vivem, considerando que a solução dos problemas sócio ambientais tem sido cada vez mais urgente e debatidos como formar de garantir a existência da humanidade.

JUSTIFICATIVA

 A proposta da Coleta Seletiva do lixo escolar é uma ação educativa que visa investir em criar hábitos que se transformarão em atitudes que contribuirão para a transformação da consciência ambiental.

Os alicerces da construção de uma Política Ambiental do Desenvolvimento e da Sustentabilidade estão sendo discutidos desde a ECO92, porém muito pouco se tem avançado na prática, porém os indicativos estão voltados para as escolas, como ponto de partida e para o sucesso das ações e metas traçadas para solucionarmos os problemas eminentes.

O conceito de Desenvolvimento Sustentável ganhou múltiplas dimensões na medida em que os estudiosos passaram a incorporar outros aspectos das relações do indivíduo com a natureza e as interpessoais. 

Sustentabilidade ecológica, refere-se à base do processo de crescimento e tem como objetivo a manutenção de estoques de capital natural incorporado às atividades produtivas.

Sustentabilidade ambiental, refere-se a manutenção da capacidade de sustentação dos ecossistemas, o que implica a capacidade de absorção e recomposição dos ecossistemas em face das interferências antrópicas.  

Sustentabilidade social, tem como referência o Desenvolvimento e como Objetivo a melhoria da qualidade de vida da população em países com desigualdades sociais, isso implica em adotar Políticas Públicas Distribuitivas ou Redistribuitivas e a universalização do atendimento na área social, principalmente na saúde, educação, habitação e equidade social. 

Sustentabilidade política, refere-se ao processo de construção da cidadania em seus vários ângulos e visa garantir a plena incorporação dos indivíduos ao processo de desenvolvimento.

Sustentabilidade econômica, implica numa gestão eficiente dos recursos em geral e caracteriza-se pela regularidade de fluxos de investimento público e privado,  o que quer dizer que a eficiência pode precisar ser avaliada por processos macrossociais.

Sustentabilidade demográfica, revela os limites da capacidade de suporte de determinado território e de sua base de recursos, isso implica em atender as demandas do crescimento econômico com as taxas demográficas e sua composição etária e contingente populacional economicamente ativo.

Sustentabilidade cultural, relaciona-se com a capacidade de manter a diversidade cultural, valores e práticas no planeta ou na região que compõem ao longo do tempo com a identidade da população.

sustentabilidade institucional, trata-se de criar e fortalecer engenharias institucionais ou instituições que considerem critérios de sustentabilidade.

Sustentabilidade espacial, norteia-se pela busca de maior equidade nas relações inter-regionais.

O conceito de Desenvolvimento Sustentável vem sendo construído no processo de discussão e prática de uma Política Geral para a humanidade. É importante ressaltar que esse conceito se identifica com pelo menos em quatro dimensões.

Uma dimensão ética onde se destaca o reconhecimento de que no almejado equilíbrio ecológico está em jogo mais que um padrão duradouro de organização da sociedade, está em jogo a vida dos demais seres e da própria existência humana. e das gerações futuras.

Uma dimensão temporal, que rompe com a lógica do curto prazo e estabelece o princípio da precaução (adotado em várias convenções internacionais de que o Brasil é signatário e que tem internamente com ratificação pelo Congresso e força da lei), bem como a necessidade de planejar a longo prazo.

Uma dimensão social, que expressa o consenso de que só uma sociedade sustentável, menos desigual e com pluralismo político, pode produzir o Desenvolvimento Sustentável.

Uma dimensão prática, que reconhece como necessária a mudança de hábitos de consumo e de comportamento.

Para concretizar tudo isso, é preciso romper o círculo vicioso da produção que prejudica o meio ambiente e exclui dos beneficiários grande parte da sociedade. É preciso, também promover um círculo virtuoso, em que a produção obedeça a critérios de conservação ambiental duradoura e aperfeiçoamento progressivo no padrões de repartição de benefícios.
OBJETIVOS GERAIS:


  • Instrumentalizar os alunos na compreensão da realidade e na busca de soluções para questões sociais, possibilitando a tomada de posição frente a problemas fundamentais e urgentes da vida social;
  • possibilitar aos alunos oportunidades para que modifiquem atitudes e práticas pessoais através da utilização do conhecimento sobre meio ambiente, adotando posturas na escola, em casa e em sua comunidade que os levem a interação construtivas na sociedade;
  • Conscientizar o aluno para a necessidade de pensar no problema do lixo, nas formas de coleta seletiva e do destino dos mesmos, na reciclagem, nos responsáveis pela produção e destinação correta do lixo na escola, em casa e na comunidade.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS


  •  Apresentar os subsídios teóricos relativos a educação ambiental e desenvolvimento de hábitos saudáveis;
  • Selecionar os principais conteúdos relativos a meio ambiente dentro dos temas transversais;
  • Propor para que os alunos aprendam na prática do dia a dia na escola: gestos de solidariedade, hábitos de higiene pessoa nos diversos ambientes;
  • Análise de mudanças de hábitos na comunidade escolar, dentro e fora da escola;
  • Informação através das mídias dos percentuais atingidos que a reciclagem e a redução de lixo depositados incorretamente na comunidade.

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO
Exemplificação

AÇÃO
PRAZO
ELABORAÇÃO DO PROJETO
09 DE JANEIRO DE 2017
REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES
DECORRER DO ANO LETIVO
REALIZAÇÃO DA SEMANA DO MEIO AMBIENTE
05 A 09 DE JUNHO DE 2017
REALIZAÇÃO DE OFICINAS DE CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS RECICLÁVEIS
JUNHO A OUTUBRO DE 2017
EXPOSIÇÃO DOS MATERIAIS PRODUZIDOS NAS OFICINAS
NOVEMBRO DE 2017


 IMPLEMENTAÇÃO

 A) Aspecto organizacional: previsão dos recursos físicos, materiais, humanos e parcerias; reuniões com a equipe gestora parar deliberar a responsabilidade de cada membro no coletivo escolar.

B) Aspecto curricular: todo o conteúdo a ser trabalhado deve ser interdisciplinar e estar contido no currículo escolar e sobre tudo no projeto político pedagógico. 

C) Avaliação processual participativa em cada etapa estabelecida a partir das metas traçadas.


Fonte: Projeto PAI - Profª Eucárice Cabó

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Projeto Gestão Escolar: Escola Sustentável



Objetivos 
  • Geral: Implantar práticas sustentáveis na escola.
  • Para a direção, a coordenação pedagógica, os professores e os funcionários: Identificar e promover atitudes sustentáveis no coletivo e, individualmente, agir coerentemente com elas.
  • Para os alunos: Desenvolver atitudes diárias de respeito ao ambiente e à sustentabilidade, apoiadas nos conteúdos trabalhados em sala de aula.
  • Para a comunidade do entorno: Ampliar o interesse por projetos ambientais e se integrar em sua organização e implantação.
Conteúdos de Gestão Escolar 
  • Administrativo: Levantamento da demanda dos recursos naturais que entram na escola (água, energia, materiais e alimentos), dos resíduos e da situação estrutural do edifício (instalações elétricas e hidráulicas).
  • Comunidade: Envolvimento na questão ambiental, com construção de novas práticas e valores e a realização de interferências na paisagem.
  • Aprendizagem: Desenvolvimento de habilidades que contemplem a preocupação ambiental nos âmbitos de energia, água, resíduos e biodiversidade.

Tempo estimado O ano todo. 
Material necessário Contas de luz e água, plantas do projeto da escola, planilhas para a anotação de dados sobre o consumo de recursos naturais, cartazes de papel reciclado para a confecção de avisos sobre desperdício, papeis para mapas e croquis e material escolar em geral. 

Desenvolvimento 1ª etapa - Planejamento em equipe Reúna os funcionários e inicie uma conversa sobre a importância de criar um ambiente voltado à sustentabilidade ambiental. Proponha a formação de grupos que avaliarão como a escola lida com os recursos naturais, o descarte de resíduos e a manutenção de áreas verdes ou livres de construção. É importante que a composição das equipes esteja acordada por todos, assim haverá motivação e interesse. Você, gestor, pode organizar a formação dos grupos, estimar os tempos e objetivos das tarefas e sugerir parcerias. Por exemplo, funcionários da secretaria que cuidam da compra de alimentos podem atuar com a equipe da cozinha. 

2ª etapa - Diagnóstico inicial Oriente cada grupo a fazer uma avaliação atenta do assunto escolhido. Por exemplo, a equipe que analisará o uso da energia deve levantar informações sobre a distribuição de luz natural, os períodos e locais em que a energia artificial fica ligada, as luminárias usadas e a sobrecarga de tomadas. Já o grupo que cuidará da água levantará o consumo médio na escola e verificará as condições de caixas- d?água, canos e mangueiras. No fim, os resultados devem ser compartilhados com a comunidade escolar. 

3ª etapa - Implantação Com base no diagnóstico inicial, monte com os grupos um projeto que contemple os principais pontos a serem trabalhados. Algumas soluções são: 
  • Energia - Incentivar a todos, com conversas e avisos perto de interruptores, a desligar a energia quando houver luz natural ou o ambiente estiver vazio; efetuar a troca de lâmpadas incandescentes por fluorescentes, mais econômicas e eficientes, e fazer a manutenção periódica de equipamentos como geladeiras e freezers. 
  • Água - Providenciar o conserto de vazamentos e disseminar, com lembretes nas paredes, a prática de fechar torneiras durante a lavagem da louça, a escovação dos dentes e a limpeza do edifício. Se houver espaço e recursos, construir cisternas é uma boa opção para coletar a água da chuva, que pode servir para lavar o chão e regar áreas verdes. 
  • Resíduos - Caso não haja coleta seletiva pelo serviço público, deve-se buscar parcerias com cooperativas de catadores. Além disso, é possível substituir, sempre que possível, sulfite, cartolina, isopor e EVA por papel craft reciclado e trocar o cimento pela terra prensada na construção de alguns equipamentos, como bancos no jardim. Outras iniciativas: manter composteiras para a destinação do lixo orgânico e a produção de adubo, implantar programas contra o desperdício de comida e promover o uso e o descarte corretos dos produtos de limpeza. 
  • Biodiversidade - Investir no aumento da superfície permeável e de áreas verdes cria espaços para o desenvolvimento de espécies animais e vegetais, além de refrescar o ambiente, diminuir a poeira e aumentar a absorção de água da chuva.

4ª etapa - Definição de conteúdos disciplinares Em reuniões com coordenadores e professores, levante os conteúdos pedagógicos que podem receber o apoio do projeto ao ser trabalhados em sala, como:
  • A importância da água para a vida na Terra;
  • O desenvolvimento dos vegetais;
  • A dinâmica da atmosfera terrestre;
  • As transformações químicas;
  • Os tipos de poluição;
  • Os combustíveis renováveis e não-renováveis;
  • As cadeias alimentares;
  • Os ciclos do carbono e do nitrogênio;
  • A importância dos aquíferos;
  • O estudo das populações, entre outros.

5ª etapa - Sensibilização da comunidade 
Para aproximar as famílias e permitir que elas também apliquem as ações sustentáveis do projeto em seu dia a dia, é preciso envolvê-las desde o início. Nesse sentido, o diretor pode convocá-las a participar de reuniões e eventos sobre o tema, expor as mudanças implantadas na escola em painéis, apresentar as reduções nas contas de água e de luz e convidá-las a ver de perto a preocupação ambiental aplicada nos diferentes locais da escola. 

6ª etapa - Manutenção permanente das ações 
Acompanhe o andamento das mudanças, anotando os resultados e as pendências. Reúna os envolvidos para fazer as avaliações coletivas das medidas adotadas. Não hesite em reforçar os princípios do projeto sempre que julgar necessário e procure levar em consideração novas sugestões e soluções propostas por alunos, educadores ou famílias. É importante ter em mente que essa manutenção deve ser permanente e não apenas parte isolada do projeto. 

Avaliação Retome os objetivos do projeto, recordando o que a escola espera alcançar, e questione se eles foram atingidos, total ou parcialmente. Monte uma pauta de avaliação sobre cada item trabalhado e retome aqueles que merecem mais aprofundamento. Avalie também o envolvimento da equipe e dos alunos, se todos estão interessados na questão ambiental e se eles mudaram as atitudes cotidianas em relação ao desperdício e ao consumo.


Fontes:  https://gestaoescolar.org.br/conteudo/648/projeto-escola-sustentavel
Consultoria: Neide Nogueira
Coordenadora do programa de educação ambiental do Cedac, em São Paulo.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Potencial do Brasil em Energia Eólica



Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=rzi-43UYKuc

Energias Renováveis - Uma nova esperança


Nossa era esta sendo marcada por uma rápida evolução técnica científica. Assistimos o rápido desenvolvimento das tecnologias da informação, da biologia e da genética.

A revolução industrial do século XVIII fez crescer nossa dependência pelos recursos fósseis. Porém a economia mundial fóssil; por exemplo, o petróleo, que levou mais de quatrocentos milhões de anos para ser formado, será todo consumido nos próximos 50 anos; na qual dependem quase todas as atividades da humanidade, porém felizmente o meio ambiente colocar alternativas ecológicas de energia a disposição da humanidade.
A quantidade de energia que a Terra recebe do Sol é enorme. A energia do Sol tem várias formas – vento e ondas, por exemplo, assim como a energia solar direta. As únicas formas de energia que não vêm originalmente do Sol são energia nuclear, a energia química das baterias elétricas, a energia das marés e a energia geotérmica. Algumas fontes de energia são conhecidas como energias renováveis, pois não se extinguirão.
O sol é uma importante fonte de energia não poluente e renovável. A energia do sol pode ser convertida em eletricidade dentro de células fotovoltaicas (solares). essas células são encontradas em calculadoras solares, aparelhos de rádio e telefone em áreas remotas, satélites espaciais e bóias de navegação. Aproximadamente um quinto da energia mundial vem de hidrelétricas. Em uma usina hidrelétrica, a energia da água que cai aciona uma turbina que, por sua vez, aciona um gerador elétrico. As usinas hidrelétricas podem gerar grandes quantidades de força.
A energia é a fonte de nossa vida. E cada ano, ou mesmo década ela vem se evoluindo muito. Já temos vários tipos de geradores de energia, mais adiante veremos, O que são energia renováveis? Quais as fontes de energias renováveis? E principalmente se está são fontes de energia são alternativas ecológicos, vantajosas ou desvantajosas?




FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS: ALTERNATIVAS DO MEIO AMBIENTE A DISPOSIÇÃO DO HOMEM.


As fontes de energia podem ser apresentadas de duas formas: convencionais ou alternativas. Energia convencional é caracterizada pelo baixo custo, grande impacto ambiental e tecnologia difundida. Já a energia alternativa é aquela originada como solução para diminuir o impacto ambiental. Com essas duas fontes de energia, surgem também duas distinções: renováveis e não-renováveis.
Renovável: é a energia que é extraída de fontes naturais capaz de se regenerar, conseqüentemente inesgotável. Ex: energia solar, energia eólica, etc. Os combustíveis renováveis são combustíveis que usam como matéria-prima elementos renováveis para a natureza, como a cana-de-açúcar, utilizada para a fabricação do álcool e também de vários outros vegetais como a mamona utilizado para a fabricação do biodiesel ou outros óleos vegetais que podem ser usados diretamente em motores diesel com algumas adaptações.
As energias renovaveis são aquelas que estão em renovação constantemente e podem ser utilizadas continuadamente. Elas são provenientes de ciclos naturais de conversão da radiação solar, que é a fonte primária principal de quase toda a energia disponível na terra.
Uma fonte de energia é renovável quando não é possível estabelecer um fim temporal para sua utilização, como por exemplo o calor emitido pelo sol, a existência do vento, as ondas, e os cursos de água. As energias renováveis são inesgotáveis, mas limitadas em termos de quantidade de energia que é possível extrair em cada momento.
As principais vantagens resultantes da sua utilização consistem no fato de não serem poluentes e poderem ser exploradas localmente. A utilização da maior parte das energias renováveis não conduz à emissão de gases com efeito estufa. A única exceção é a biomassa, uma vez que há queima de resíduos orgânicos, para obtenção da energia o que origina dióxido de enxofre e óxidos de azoto.







A exploração local das energias renováveis contribui para reduzir a necessidade de importação de energia, atenuando a dependência energética relativamente aos países produtores de petróleo e gás natural.

As fontes de energia renováveis ainda são muito pouco utilizadas devido aos altos custos de instalação, inexistência de tecnologias e redes de distribuição experimentadas, e em geral, ao desconhecimento e falta de sensibilização por parte dos governantes, dos municípios e dos consumidores.
Ultimamente tem observado um crescimento no consumo dos combustíveis fósseis, e levando em conta de esse aumento tende a apresentar dois importantes problemas, questões de ordem ambiental e o fato dos recursos energéticos fósseis serem finitos e esgotáveis. As fontes de energia renováveis surgem como uma alternativa às convencionais. O aproveitamento das fontes de energias renováveis deveria ser um dos objetivos primordiais da política energética nacional.






Assista o vídeo e crie alternativas para deixar sua contribuição na construção de  uma cidade sustentável.


Fonte: http://www.trabalhosescolares.net/fontes-de-energia-renovaveis-alternativas-do-meio-ambiente/
https://www.youtube.com/watch?v=NvdoqTP9xis

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Fontes de Energias Renováveis

Dentro da necessidade e se aplicar energias alternativas, numa meta a longo tempo, precisamos implantar o projeto nas nossas escolas desde a Educação Infantil até o Ensino superior.
Sabemos que o modelo predominante no Brasil de fonte de energia hidrelétrica está entrando em colapso devido ao baixo volume de água, mesmo no período chuvoso e o desequilíbrio climático, temos que buscar os modelos de energia.
As fontes renováveis de energia são aquelas formas de produção de energia em que suas fontes são capazes de manter-se disponíveis durante um longo prazo, contando com recursos que se regeneram ou que se mantêm ativos permanentemente. Em outras palavras, fontes de energia renováveis são aquelas que contam com recursos não esgotáveis.
Existem vários tipos de fontes renováveis de energia, das quais podemos citar a solar, a eólica, a hídrica, a biomassa, a geotérmica, a das ondas e a das marés. Veja um breve resumo sobre cada uma dessas energias não esgotáveis:

Energia solar
Consiste no aproveitamento da radiação solar emitida sobre a Terra. Trata-se, portanto, de uma fonte de energia que, além de inesgotável, é altamente potente, pois uma grande quantidade de radiação é emitida sobre o planeta todos os dias. A sua principal questão, todavia, não é a sua disponibilidade na natureza, e sim as formas de aproveitá-la para a geração de eletricidade.


Usina solar

Existem duas formas de utilização da energia solar, a fotovoltaica, em que placas fotovoltaicas convertem a radiação solar em energia elétrica, e a térmica, que aquece a água e o ambiente, sendo utilizada em casas ou também em termoelétricas através da conversão da água em vapor, este responsável por movimentar as turbinas que acionam os geradores.

Energia eólica
Utiliza-se da força promovida pelos ventos para a produção de energia. Sua importância vem crescendo na atualidade, pois, assim como a energia solar, ela não emite poluentes na atmosfera. As usinas eólicas utilizam-se de grandes cataventos instalados em áreas onde a movimentação das massas de ar é intensa e constante na maior parte do ano. Os ventos giram as hélices, que, por sua vez, movem as turbinas, acionando os geradores.
Usina Eólica

Embora essa fonte de energia seja bastante eficiente e elogiada, ela apresenta algumas limitações, como o caráter não totalmente constante dos ventos durante o ano, havendo interrupções, e a dificuldade de armazenamento da energia produzida.

Energia hídrica ou hidroelétrica
Por sua vez,a energia hidrelétrica utiliza-se do movimento das águas dos rios para a produção de eletricidade. Em países como Brasil, Rússia, China e Estados Unidos, ela é bastante aproveitada pelas usinas que transformam a energia hidráulica e cinética em eletricidade.
Usina Hidroelétrica de Itapipu - a maior do mundo
Como é necessário o estabelecimento de uma área de inundação no ambiente em que se instala uma usina hidrelétrica, a sua construção é recomendada em áreas de planalto, onde o terreno é mais íngreme e acidentado, pois rios de planície necessitam de mais espaço para represamento da água, o que gera mais impactos ambientais. Por um lado, as hidroelétricas trazem vários prejuízos ambientais, não só pela inundação de áreas naturais e desvio de leitos de rios, como também pelo dióxido de carbono emitido pela decomposição da matéria orgânica que se forma nas áreas alagadas. Por outro lado, essa é considerada uma eficiente forma de geração de eletricidade, além de ser menos poluente, por exemplo, que as termoelétricas movidas a combustíveis fósseis.

Energia da biomassa
A biomassa corresponde a toda e qualquer matéria orgânica não fóssil. Assim, pode-se utilizar esse material para a queima e produção de energia, por isso ela é considerada uma fonte renovável. Sua importância está no aproveitamento de materiais que, em tese, seriam descartáveis, como restos agrícolas (principalmente o bagaço da cana-de-açúcar), e também na possibilidade de cultivo.
Biomassa
Existem três tipos de biomassa utilizados como fonte de energia: os sólidos, os líquidos e os gasosos.
Combustíveis sólidos: podemos citar a madeira, o carvão vegetal e os restos orgânicos vegetais e animais.
Combustíveis líquidos: o etanol, o biodiesel e qualquer outro líquido obtido pela transformação do material orgânico por processos químicos ou biológicos.
Combustíveis gasosos: aqueles que são obtidos pela transformação industrial ou até natural de restos orgânicos, como o biogás e o gás metano coletado em áreas de aterros sanitários.
Energia geotérmica
A energia geotérmica corresponde ao calor interno da Terra. Em casos em que esse calor se manifesta em áreas próximas à superfície, as elevadas temperaturas do subsolo são utilizadas para a produção de eletricidade.
Usina Geotérmica
Basicamente, as usinas geotérmicas injetam água no subsolo por meio de dutos especificamente elaborados para esse fim. Essa água evapora e é conduzida pelos mesmos tubos até as turbinas, que se movimentam e acionam o gerador de eletricidade. Para o reaproveitamento da água, o vapor é novamente transportado para áreas em que retorna à sua forma líquida, reiniciando o processo. O principal problema da energia geotérmica é o seu impacto ambiental através de eventuais emissões de poluentes, além da poluição química dos solos em alguns casos. Somam-se a isso os elevados custos de implantação e manutenção.
Energia das ondas e das marés
É possível utilizar a água do mar para a produção de eletricidade tanto pelo aproveitamento das ondas quanto pela utilização da energia das marés. No primeiro caso, utiliza-se a movimentação das ondas em ambientes onde elas são mais intensas para a geração de energia. Já no segundo caso, o funcionamento lembra o de uma hidrelétrica, pois cria-se uma barragem que capta a água das marés durante as suas cheias, e essa água é liberada quando as marés diminuem. Durante essa liberação, a água gira as turbinas que ativam os geradores.

Fonte: http://brasilescola.uol.com.br/geografia/fontes-renovaveis-energia.htm